Família brasileira em frente a igreja representando a importância da religião no processo de adaptação na Europa

A religião no processo de adaptação na Europa

5
(1)

Desde o início dos grandes processos migratórios da história, as religiões vêm cumprindo um papel essencial na integração dos imigrantes ao seu novo local de habitação. A religião no processo de adaptação ajuda milhares de pessoas ao redor do mundo, provendo não apenas elevação espiritual, mas também auxílio prático.  

Como a religião pode te ajudar na adaptação

Sempre que conversamos sobre nossa mudança para Portugal, surgem diversas perguntas sobre nossa adaptação. Quem conhece nossa família mais de perto, geralmente já se antecipa “a igreja (ou a religião de vocês) ajudou muito na adaptação, não é mesmo?”. E eu posso dizer que, no nosso caso, a religião foi a maior ajuda que tivemos.

Desde que decidimos sair do Brasil, antes mesmo de definir para qual país iríamos, conversamos com outras famílias conhecidas ou indicadas por amigos, todos da mesma religião que nós. Eles nos passavam as principais informações sobre como era viver em outros países. Em uma dessas conversas, sentimos que Portugal era “o lugar”.

Mulher vibra em templo religioso
Foto de Luis Quintero no Pexels

Embora toda informação e preparação sejam fundamentais ao iniciar essa nova jornada, a adaptação mesmo depende de vários fatores que vivenciamos no dia a dia. Não é um formulário que você preenche, paga uma taxa, e esta resolvido. São muitos desafios que surgem, e ter com quem contar nessas horas faz muita diferença.

Cada vez mais, as religiões têm crescido e se tornado mais globais. Isso faz com que muitas igrejas e templos com a mesma fé estejam presentes em vários países, e sirvam como locais de acolhimento, auxiliando em vários aspectos na vida das pessoas e famílias.

Considerando nossa experiência e de outras famílias que conhecemos (inclusive de religiões diferentes da nossa), vou compartilhar alguns pontos sobre como a religião pode ajudar na sua adaptação.

Leia também:  Sistema de saúde em Portugal: saiba tudo

A Igreja é a nossa segunda casa

A Igreja é um lugar onde aprendemos e compartilhamos sobre princípios que aplicamos para nos aperfeiçoarmos como pessoas e famílias. Saber que do outro lado do oceano você pode contar com a continuidade desses princípios e ideias dá segurança e conforto.

Há um sentimento de pertencimento que nos faz sentir “em casa”. Embora estejamos indo para um lugar desconhecido, haverá lá um ambiente que nos é familiar.

Bíblia no colo de membro de igreja na Europa
Foto de Eduardo Braga no Pexels

Encontramos pessoas que compartilham dos mesmos valores

Nossos valores são o nosso alicerce, e se conectam com o que consideramos mais importante em nossas vidas. Estar em outro país e ter por perto pessoas que compartilham dos mesmos valores nos fortalece, pois sentimos que não estamos sozinhos. Além do mais, as amizades são mais facilmente reconhecidas, já que existem muitas afinidades entre todos os fiéis.

Compartilhar dos mesmos valores e crenças, de certa forma, faz com que desenvolvamos mais facilmente a empatia. E quando conseguimos nos colocar no lugar do outro, nos esforçamos para fazer por ele o que gostaríamos que fizessem por nós.

Programas de auxílio comunitário

Normalmente as religiões mantém programas diversos de auxílios comunitários. Eles vão desde ajudas em necessidades básicas, como vestuário e alimentação, até suporte em questões de recursos humanos. Esses recursos são disponibilizados para a comunidade de um modo geral, não sendo limitados aos membros.

Os líderes religiosos, geralmente, prestam serviço de acompanhamento individual e familiar, identificando necessidades específicas e providenciando formas de ajudar.

Apoio entre membros da religião no processo de adaptação

Normalmente, os membros nativos e aqueles que já passaram pela experiência de mudar para outro país costumam ser de grande ajuda. Quando encontramos entraves, principalmente burocráticos, que podem ser bem diferente da onde viemos, essas pessoas podem ser nossas referências.

Leia também:  7 séries europeias da Netflix imperdíveis

Há uma diferença grande entre ler uma informação na internet, que além de tudo pode estar desatualizada, e obter detalhes práticos. Se podemos tirar dúvidas específicas com pessoas que já passaram ou estão passando pelas mesmas situações fica tudo mais claro.

As trocas de experiências são cheias de pessoalidade e muito valiosas, pois criam um senso de reciprocidade.

Famílias e crianças em adaptação na Europa
Famílias da mesma religião podem ser um ponto de referência na adaptação em outro país
Foto de Gift Habeshaw no Unsplash

Apoio emocional também é uma ajuda fundamental

Nos momentos de estresse emocional, naqueles dias mais difíceis, que temos vontade de “voltar voando para casa”, ter pessoas dispostas a nos apoiar faz toda a diferença.

Algumas fases ganham até classificação:

“Ah, o primeiro ano é assim mesmo, mas isso tudo vai passar”…

Aquele que está ajudando acaba sendo ajudado também. Às vezes, nesses momentos é que ele percebe o quanto já superou, e ganha mais ânimo para seguir em frente, sem perder de vista seus objetivos.

E conosco foi assim…

Quando chegamos a Portugal, já tínhamos alguns contatos de membros e líderes da religião a qual pertencemos. Assim que entramos em contato, fomos recebidos de braços abertos e não foram poupados esforços para nos ajudar das mais variadas formas.

Um dia era companhia para ir fazer a matrícula das crianças, no outro era um convite para um bolo com chocolate quente para adoçar os dias mais difíceis. Ao mesmo tempo em que voluntariamente doavam móveis e todo tipo de utensílios para casa, para que “não nos preocupássemos com essas coisas”.

Nossos filhos mal chegaram e conheceram crianças de idades próximas no contato durante as reuniões na Igreja, ou quando algum membro vinha nos oferecer ajuda.

E o que dizem é verdade: criança se adapta mais fácil que adultos.

Leia também:  Slow Parenting: criação que os europeus adoram

Quando olho para nossos quase três anos de Portugal, tenho meu coração cheio de gratidão, por tanto apoio e ajuda que tivemos e ainda temos. O mais legal é que hoje podemos retribuir toda a ajuda que tivemos, ajudando outros recém chegados, seja com informações, doações de móveis ou com um “vale night” para os pais.

Essa tem sido a nossa experiência, e como estamos falando sobre ajuda, vai nos agregar muito saber um pouco sobre como tem sido a sua.


Queremos saber o quanto esse artigo foi útil pra você!

Por favor, deixe sua avaliação.

Resultado 5 / 5. Número de votos: 1

Seja o primeiro a avaliar...

Nós lamentamos muito que você não está satisfeita com o artigo.

Ajude-nos a escrever artigos mais úteis e informativos!

Por favor, deixe sua sugestão em como melhorar esse artigo.



Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.